100 anos de Milton Friedman


Hoje Milton Friedman faria 100 anos. Vale à pena tirar um momento para alguns dos diversos vídeos elencados no canal Free to Choose e ver um dos mais argutos economistas em ação. Deixo abaixo dois do Tyranny of Status Quo:

Propostas de casamento extravagantes


Qual o sentido econômico de uma proposta de casamento extravagante? Al Roth traz uma matéria que explica por que alguns noivos fazem isso: é uma forma de sinalização, para a noiva, amigos e família, de que o noivo está realmente disposto a abandonar seu estilo de vida antigo e constituir uma família.

A inflação na Argentina


Alexandre Schwartsman discute o “milagre” argentino mostrando que, ou os hermanos estão na vanguarda da eficiência energética, ou há algo estranho nas contas nacionais argentinas. Apesar de não existir dúvida sobre qual a alternativa mais provável, sempre é bom coletar mais evidências. Hoje me alertaram sobre o artigo de Cavallo, do primeiro trimestre deste ano, Online and Official Price Indexes: Measuring Argentina’s Inflation. O autor constrói índices de preços on-line com base nos sites de grandes supermercados da Argentina, Brasil, Chile, Colômbia e Venezuela. Resultado: nos quatro últimos países o índice on-line se comporta de maneira semelhante ao índice oficial. Na Argentina, nos pouco mais de três anos da amostra, o índice on-line cresceu 100%, mas o oficial “apenas” 35%.

PS: a ideia do índice é simples e poderosa. Temei IBGE.

Entrevistas com Economistas: a década de 70 está de volta – II


Adolfo Sachsida dá prosseguimento às entrevistas, agora com:

- Rogério Boueri Miranda;

- Marco Bittencourt;

- Gustavo Franco;

- Irineu de Carvalho Filho; e,

- Cristiano M. Costa.

Econometria (na sua maior parte) inofensiva


A controvérsia PUC-RJ vs Reinaldo Azevedo acabou por trazer à tona os nomes de Angrist e Pischke, que têm ganhado bastante destaque recentemente. Ambos são autores de um livro que tem recebido atenção dos praticantes, Mostly Harmless Econometrics: An Empiricist’s Companion. O livro basicamente trata do uso da regressão linear em contextos de experimentos naturais ou mudanças de políticas públicas (“quase experimentais”), discorrendo sobre o uso de variáveis instrumentais e differences-in-differences. Eles também tratam de dois temas bastante recentes que são a quantile regression e regression discontinuity design.

Tal qual os livros Poor Economics e Why Nations Fail, os autores mantêm um site e blog homônimo ao livro.

PS: percebi que provavelmente serão mencionados diversos livros no blog, então agora há uma nova categoria “livros” que facilita a busca.

PS2: como todos os livros citados acima, este também possui uma versão em Kindle na Amazon. Esta é a versão que eu tenho, bastante prática mas formatação péssima.

Entrevistas com Economistas: a década de 70 está de volta?


Adolfo Sachsida entrevista:

- Roberto Ellery;
Alexandre Schwartsman;
Mansueto Almeida;
- Leonardo Monastério.

As perguntas são as mesmas para todos, referentes a um possível retorno às políticas dos anos 70 que resultaram, posteriormente, na “década perdida” dos anos 80. Eu recomendaria ao Adolfo entrevistar também o Bernardo Mueller, se já não estiver em seus planos.

Confusão eterna! A “descoberta” do Bóson de Higgs


Como havíamos falado em post anterior, quase todo mundo confunde o significado dos p-valores ou intervalos de confiança. E não é que lendo a matéria da FAPESP sobre o bóson de Higgs, uma notícia de uma agência de financiamento oficial, vemos a mesma confusão!

Na física das partículas, 5 Sigma indica 99,9% de probabilidade de o resultado da medida estar correto e de que há uma chance em 1,75 milhão de se tratar de um desvio estatístico.

A interpretação correta aqui é de que, caso o resultado fosse derivado de um “desvio estatístico”, isto é, caso o resultado fosse derivado apenas por sorte, as chances de se obter uma observação tão extrema ou mais extrema do que a observada pelos cientistas seria de uma em 1,75 milhão. Isso não é a mesma coisa de dizer que “há uma chance em 1,75 milhão de se tratar de um desvio estatístico”.