Nate Silver, Frequentistas, Bayesianos e Economistas


Havíamos comentado sobre o livro de Nate Silver.  Em particular, falamos sobre o capítulo 8 do livro, uma crítica aos testes cegos de significância estatística. E este capítulo, apesar de super simples, está dando o que falar. Por basicamente dois motivos: (i) Nate utiliza a palavra “frequentismo” para denominar o que critica; e, (ii) o livro se tornou muito popular.

O problema do rótulo “frequentismo” é que ele é utilizado para diversas correntes e técnicas estatísticas, sejam no campo teórico ou aplicado. Dessa forma, muitos daqueles que se denominam “frequentistas” não se enxergam na caracterização feita por Silver. Sentem-se ameaçados e injustiçados – passando a apontar limitações do Bayesianismo, que obviamente existem – a despeito de esses mesmos “frequentistas” também concordarem que as práticas expostas por Nate sejam ruins.

Andrew Gelman tem dois posts (1 e 2) sobre o assunto que merecem ser lidos (e lá você encontrará links para os demais posts de outros blogs). Vale destacar algumas passagens de Gelman.

Com relação à mensagem geral da crítica aos testes de significância:

if Nate’s message is that modern statistics is about models rather than p-values, I support that message even if it’s not phrased in the most technically correct manner.

Uma ênfase sobre o que o economista deve tomar como lição desta discussão:

One thing I’d like economists to get out of this discussion is: statistical ideas matter. To use Smith’s terminology, there is a there there. P-values are not the foundation of all statistics (indeed analysis of p-values can lead people seriously astray). A statistically significant pattern doesn’t always map to the real world in the way that people claim.

Indeed, I’m down on the model of social science in which you try to “prove something” via statistical significance. I prefer the paradigm of exploration and understanding. (See here for an elaboration of this point in the context of a recent controversial example published in an econ journal.)

Here’s another example (also from economics) where the old-style paradigm of each-study-should-stand-on-its-own led to troubles.

E uma crítica à crença incorreta (mas bastante comum) sobre como são aplicados os testes de hipótese na prática:

(…) hypothesis testing typically means that you do what’s necessary to get statistical significance, then you make a very strong claim that might make no sense at all. Statistically significant but stupid. Or, conversely, you slice the data up into little pieces so that no single piece is statistically significant, and then act as if the effect you’re studying is zero. The sad story of conventional hypothesis testing is that it is all to quick to run with a statistically significant result even if it’s coming from noise.

Sobre os pontos levantados na discussão, já tratamos neste blog da confusão gerada em testes de significância aqui (exemplo com teste de normalidade), aqui (exemplo com mercados eficientes) e aqui (uma brincadeira com confundir não rejeitar a hipótese nula com aceitá-la).

About these ads

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s