Os 24 tipos de autoritários e os 24 tipos de libertários


 

Os autoritários:autoritarismoE os libertários (em inglês):

types_of_libertarian1

Via information liberation, lefty cartoons e Economistas X (versão em português).

 

Analise a rede de seu facebook


Continuando o tema de análise de redes, abordado em post passado, vejamos agora um exemplo legal que você mesmo pode reproduzir!

O gráfico abaixo é o da minha rede do Facebook. Cada nódulo representa uma pessoa (não coloquei os nomes, mas você pode colocar caso queira) e cada arco uma relação de amizade entre elas.

Veja que as pessoas foram separadas em grupos com base nas relações de amizade, e cada grupo recebeu uma cor diferente. Isto foi feito por um algoritmo que, no meu caso, corretamente identificou os grupos sociais da rede (trabalho, família, viagens, cursos) com base em quão fortemente conectados os nódulos são. Perceba que algumas pessoas são representadas por nódulos maiores: no caso, elas são pessoas com alto nível de betweeness centrality, isto é, pessoas que são como uma ponte para grupos de amizades distintos dentro da rede – também seria possível mudar o tamanho dos nódulos segundo o número de conexões de cada pessoa (grau, na linguagem de rede) ou outras medidas de centralidade.

rede_do_facebook

Bacana, não?

Quer fazer o seu? Você vai precisar entrar no aplicativo Netvizz para baixar os dados do Facebook e, depois, rodá-los no programa Gephi (que pode ser baixado gratuitamente aqui). Caso tenha alguma dificuldade, há um didático tutorial na internet. Futuramente, para não dizer que não falamos de economia, vamos fazer esse mesmo experimento com a visualização de dados de investimento direto no exterior e ver o que sai.

Nova base de dados de séries de tempo


Há pouco tempo surgiu uma nova base de dados de série de tempos - Quandl.

Além de agrupar diversas estatísticas de fontes diferentes, o site permite baixar os dados em vários formatos (como excel ou csv) e ainda permite importação de dados diretamente em várias ferramentas de análise, como R e Python. Isso é uma mão na roda em muitos casos.

Outra possibilidade no Quandl é a de incorporar gráficos diretamente nos posts, tal como o exemplo abaixo com a evolução do IPCA acumulado em 12 meses.

Graph of IPCA - Acumulado em 12 meses

Apesar da ressalva de ser uma fonte secundária de informações, para quem ainda não conhecia, certamente vale a pena conferir.

O que os modelos de mudança climática podem nos dizer?


Conforme o abstract deste paper do Pindyck :

Very little. A plethora of integrated assessment models (IAMs) have been constructed and used to estimate the social cost of carbon (SCC) and evaluate alternative abatement policies. These models have crucial flaws that make them close to useless as tools for policy analysis: certain inputs (e.g. the discount rate) are arbitrary, but have huge effects on the SCC estimates the models produce; the models’ descriptions of the impact of climate change are completely ad hoc, with no theoretical or empirical foundation; and the models can tell us nothing about the most important driver of the SCC, the possibility of a catastrophic climate outcome. IAM-based analyses of climate policy create a perception of knowledge and precision, but that perception is illusory and misleading. 

Concorre seriamente para um dos melhores abstracts em economia.

Ps: ainda não li o artigo, mas não poderia deixar de compartilhar o abstract.

É hora de comprar ouro?


O texto de Jonas Faga Jr, recomendando a compra de ouro como um seguro, tem alguns pontos dos quais discordo e tenho discutido isso com alguns economistas. Para consolidar a discussão em um local só, seguem neste post alguns questionamentos. Jonas sugere que: (i) apesar de o preço do ouro flutuar no curto prazo, o metal mantém seu poder de compra no longo prazo; (ii) consequentemente, ele é um hedge para a inflação no longo prazo; e, por fim, (iii) o ouro seria um seguro contra catástrofes financeiras.

Os pontos (i) e (ii), a rigor, não me parecem verdade, pelo menos não para o que muita gente consideraria longo prazo. Como ilustração, basta um contra-exemplo: o período de 20 anos, entre 1980 e 1999, em que o preço do ouro, em dólar, despencou em termos reais (considerando a inflação).

Preço médio do Ouro a dólares constantes de 2009

Ouro 1980 1999

No blog Marginal Revolution, Tyler Cowen traz para discussão o trabalho Erb e Harvey que, dentre outras coisas, aponta justamente esta falta de correlação entre inflação e retorno do ouro em, pelo menos, períodos tão longos quanto 20 anos.

O ponto (iii), por sua vez, pode ser verdade, mas não deixa de ser especulação. Como se sabe, o ouro, historicamente, foi utilizado como moeda-mercadoria; e, como moeda, o ouro tem um menor risco de contra-parte, intrínseco a moedas fiduciárias. Deste modo, por exemplo, em um caso de catástrofe generalizada, seguida de falências de bancos e drástica perda de credibilidade das moedas fiduciárias, poderia ser que o ouro voltasse a exercer esta função em escala global. A demanda por ouro cresceria em magnitudes sem precedentes e, consequentemente, os ganhos da aplicação em ouro poderiam compensar, em alguma medida, as perdas dos outros ativos. Mas crises podem ocorrer de diversas formas. É possível imaginar diversos cenários em que o preço do ouro cairia mesmo em meio a uma crise financeira, como, por exemplo, em uma situação com a estagnação de grandes países emergentes (como a China) ou países em situação de crise fiscal, juntamente com a venda de ouro por parte desses bancos centrais.

Tendo isto em vista, você deve ou não comprar ouro como um seguro de longo prazo? A resposta depende de quais cenários futuros são mais plausíveis. E qual cenário, dentre todos, é mais plausível? Não sei. Mas é preciso estar claro que o ouro não é especial e tampouco é um seguro no sentido usual do termo. Você pode tanto ganhar quanto perder muito dinheiro, mesmo no longo prazo. Veja, não estou dizendo que seja uma má ideia comprar ouro agora, ou que diversificar seu portfólio seja ruim. Apenas enfatizo que, para você saber se deve ou não comprar ouro, seja com o horizonte de curto prazo, como 1 ano, ou mesmo com o horizonte de longo prazo, como 20 anos, você ainda tem de prever a evolução da oferta e da demanda pelo metal, da mesma forma que você faria para qualquer outro ativo.

PS: além do Marginal Revolution, a recente queda do preço do ouro tem tido repercussão em outros blogs como no EconBrowser e no Economist’s View.

Comunidades tribais são mais violentas? O quão próxima é a distribuição normal? O papel do BNDES.


Alguns links aleatórios.

1) Não existe má publicidade 2 (o primeiro foi com relação ao livro do Sandel). Recém publicado livro do Jared Diamond (The World Until Yesterday: What Can We Learn from Traditional Societies?) parece ter provocado a ira (aqui e aqui) de grupos defensores das comunidades tribais. Resultado: comprei a versão para Kindle.

(Via Marginal Revolution)

2) Seguem alguns posts do Larry Wasserman que queria compartilhar há algum tempo, mas havia procrastinado:

- Review do livro de Nassim Taleb, Antifragile: Things That Gain from Disorder, apenas lido pela metade (because only sissy fragilistas finish a book before reviewing it);

- Sobre bootstrapping I e II;

- Sobre teoremas de upper-bound para erros de aproximação pela curva normal (vale conferir uma sugestão que surgiu nos comentários do post, um texto histórico, bacana, sobre robustez do Stigler).

3) Sobre o papel do BNDES. Artigo de Maurício Canêdo Pinheiro, no Estadão, bota em xeque a efetividade da instituição. Como suporte, menciona o working paper do Lazzarini (What Do Development Banks Do? Evidence from Brazil, 2002-2009). Lembro-me de terem comentado bastante sobre esse artigo na última Anpec, e tenho de confessar que as conclusões do paper são bastante alinhadas com minhas crenças e intuições a priori. A despeito disso, com base em uma passada de olho, fiquei na dúvida se os dados apresentados corroboram conclusões fortes. Para não falar mais sem ler com o devido cuidado, isso fica para outro dia.

Tops do blog de 2012 – I


Requentando Relembrando os 10 posts mais acessados do ano:

- Os dez mandamentos da Econometria Aplicada

- PUC-RJ x Reinaldo Azevedo: sobre causalidade e VI.

- Pombos são mais espertos do que humanos?

- Culto da significância estatística I: um exemplo do teste de normalidade

- Câmbio e Inflação I

- A inflação na Argentina

- Teoria dos jogos na prática

- Teoria dos jogos na prática 2

- A evidência prova: você é obeso… mas não é gordo!

- Ai se eu te pego em grego clássico

Hal Varian e Nate Silver: entrevista no Google


Vale à pena conferir a entrevista, abaixo, de Nate Silver com Hal Varian no Google:

Mais sobre Nate Silver neste blog aqui.

Via Simply Statistics.

PS: Em futuros posts, alguns comentários sobre papers da ANPEC/SBE 2012.