Links diversos: Discriminação de preços em passagens, vídeo Piketty na USP e replicação dos códigos dos artigos.


Seguem alguns links interessantes da semana:

- Vai comprar passagens? Então não busque somente no “site em português” da companhia aérea, mas também nas versões estrangeiras. Algumas vezes o preço pode ser mais barato, bem mais barato.  Para verificar se isso ocorre por aqui, simulei hoje uma passagem Brasília – Vitória para a virada do ano, tanto na versão em português quanto na versão em inglês do site da TAM. Resultado: no site em inglês a passagem está quase R$1.000,00 mais cara. Neste caso, o gringo que estiver no Brasil pode economizar bastante apenas mudando a linguagem da página, mas já houve relatos de o inverso acontecer (a passagem no site em inglês estar mais barata).

- Lembra que o Piketty estava pelo Brasil? Pois bem, para quem não conseguiu estar presente, agora o  vídeo do debate que ocorreu na USP, com André Lara Resende e Paulo Guedes, está disponível (via Prosa Econômica).

-  Desde 2005, o Quarterly Journal of Political Science solicita aos autores os dados e códigos necessários para a replicação de seus papers. Com isso, o periódico faz uma revisão bem básica: apenas roda o que foi enviado pelos autores - as is – e verifica se os resultados são os mesmos apresentados pelo artigo. Este processo simples tem valido a pena? Segundo Nicholas Eubank, sim:

Experience has shown the answer is an unambiguous “yes.” Of the 24 empirical papers subject to in-house replication review since September 2012, [1] only 4 packages required no modifications. Of the remaining 20 papers, 13 had code that would not execute without errors, 8 failed to include code for results that appeared in the paper, [2] and 7 failed to include installation directions for software dependencies. Most troubling, however, 13 (54 percent) had results in the paper that differed from those generated by the author’s own code. Some of these issues were relatively small — likely arising from rounding errors during transcription — but in other cases they involved incorrectly signed or mis-labeled regression coefficients, large errors in observation counts, and incorrect summary statistics. Frequently, these discrepancies required changes to full columns or tables of results. Moreover, Zachary Peskowitz, who served as the QJPS replication assistant from 2010 to 2012, reports similar levels of replication errors during his tenure as well. The extent of the issues — which occurred despite authors having been informed their packages would be subject to review — points to the necessity of this type of in-house interrogation of code prior to paper publication.

Fica a pergunta: quantos journals brasileiros fazem isso?

(via Dave Giles)

Trabalhar como economista/cientista de dados no facebook: o que é preciso?


Será que você – ou o seu programa de doutorado – está em sintonia  com as demandas de um economista/cientista de dados moderno, como um economista no facebook?

Segue abaixo a tradução livre que fiz dos trechos relevantes de uma oferta de emprego:

O Facebook está buscando economistas excepcionais para se juntar à nossa equipe de Ciência de Dados. Os indivíduos deverão ter uma compreensão profunda da análise causal – desde a criação e análise de experimentos até o trabalho com dados complexos ou não estruturados. Economistas no Facebook criam e executam projetos em áreas como o design de mercado online, previsão, análise de redes, design de leilão, comportamento do consumidor e economia comportamental.

Algumas habilidades requeridas ou desejáveis:

  • Doutorado em Economia ou um campo relevante;
  • Ampla experiência na resolução de problemas analíticos utilizando abordagens quantitativas;
  • Confortável com a manipulação e análise de dados complexos, de alto volume e alta-dimensionalidade de fontes variadas;
  • Conhecimento especializado de uma ferramenta de análise, tais como R, Matlab, ou Stata;
  • Experiência com os dados on-line: a mineração da web social, webscraping de  websites, puxar dados de APIs, etc;
  • Confortável na linha de comando e com ferramentas unix;
  • Fluência em pelo menos uma linguagem de script como Python ou Ruby;
  • Familiaridade com bancos de dados relacionais e SQL;
  • Experiência de trabalho com grandes conjuntos de dados ou ferramentas de computação distribuída (Map/Reduce, Hadoop, Hive, etc.).

Links diversos: o Estatístico Automático e um pouco de história do R.


Seguem alguns links interessantes:

1. Andrew Gelman comentou sobre o estatístico automático e resolvi testar. Como ainda é um protótipo, por enquanto o site só trabalha com modelos lineares. O que o algoritmo tentará fazer? O seguinte:

 (…)  the automatic statistician will attempt to describe the final column of your data in terms of the rest of the data. After constructing a model of your data, it will then attempt to falsify its claims to see if there is any aspect of the data that has not been well captured by its model.

Testei com os dados dos votos municipais na Dilma vs variáveis socio-econômicas dos municípios (primeiro turno). Veja aqui os resultados.

2. Ok, este link só vai ser interessante se você tiver um pouco de curiosidade sobre o R. Rasmus Baath comprou os livros das antigas versões do S (a linguagem que deu origem ao R) e ressaltou alguns pontos interessantes sobre o desenvolvimento da linguagem ao longo do tempo.

Você Fiscal: ajude a fiscalizar o processo eleitoral brasileiro.


Aproveitando os posts sobre eleição, divulgo aqui o Você Fiscal, iniciativa do professor Diego Aranha. A idéia é que eleitores tirem fotos do Boletim de Urna logo após o encerramento das eleições para realizar uma apuração independente dos resultados. Há um aplicativo para Android, mas você também pode participar sem o aplicativo. Confira abaixo o vídeo sobre o projeto:

 

Artur Avila ganha Medalha Fields! E encontro de complexidade no IPEA.


Duas notícias que tenho de compartilhar:

A primeira – que você já deve ter visto mas que ainda assim vale reforçar – é que o brasileiro Artur Avila ganhou a Medalha Fields!

Já a segunda é que, agora no começo de setembro, haverá o Seminário Internacional Modelagem de Sistemas Complexos para Políticas Públicas no IPEA.

Nate Silver – Previsões para a copa do mundo


Nate Silver lançou suas previsões para a copa do mundo: Brasil sai como favorito, com 45% chances de ganhar.
20140609-213015-77415484.jpg
O que você acha das previsões? Quer entender como chegaram a esses números? Leia, aqui, a discussão que Nate faz sobre o modelo!

Os 24 tipos de autoritários e os 24 tipos de libertários


 

Os autoritários:autoritarismoE os libertários (em inglês):

types_of_libertarian1

Via information liberation, lefty cartoons e Economistas X (versão em português).