Pesquisas eleitorais: Veritá ou DataFolha? Sobre metodologia e margens de erro.


As eleições têm trazido ao público um debate importante sobre estatística e incerteza. Em um dia, o Datafolha indica 52% dos votos para a Dilma. No dia seguinte, o Instituto Veritá contabiliza 53% do votos para Aécio. Como conciliar isso com as pequenas margens de erro sugeridas pelas pesquisas?

O problema é que, em geral, as margens de erro das pesquisas são divulgadas como se tivessem sido feitas por amostragem aleatória simples.  Mas, na verdade, as pesquisas têm um processo de amostragem mais complexo, sujeito a outros tipos de erros. Um texto legal sobre o assunto é este, do Rogério.

E para complicar ainda mais, os institutos usam métodos diferentes. Por exemplo, olhando as últimas duas pesquisas presidenciais, aparentemente a pesquisa do Instituto Veritá foi uma Amostragem Probabilística por Cotas com entrevistas por domicílios (e também com o uso de ponto de fluxo onde a entrevista domiciliar não fosse possível – vide aqui); e, a do DataFolha, uma Amostragem por Cotas com entrevistas por ponto de fluxo (vide aqui).

Esses métodos, apesar de terem nomes semelhantes, segundo Neale El-Dash não são tão semelhantes assim:

Anteriormente já escrevi sobre a diferença entre as pesquisas denominadas “Amostragem por Cotas” (AC) e as denominadas “Amostragem Probabilística por Cotas” (APC). Existe apenas uma semelhança entre as duas metodologias: ambas têm a palavra “Cotas” no nome, indicando que não são probabilísticas. Isso não quer dizer que sejam iguais. Pelo contrário, existem muitas diferenças entre elas, vou mencionar algumas abaixo: 

1-   Na APC as entrevistas são domiciliares. Na AC as entrevistas são realizadas em pontos de fluxo. Como o Carvalho diz em seu texto: “os pontos de concentração podem ser shoppings, esquinas de ruas movimentadas, ou seja, lugares onde é fácil preencher as cotas”. 

2-  Na APC existe muito controle sobre o entrevistador e a sua liberdade de escolha dos entrevistados. Ele tem que percorrer um trajeto muito restrito com critérios claros e objetivos.  Na AC, o entrevistador escolhe quem quiser, contanto que esteja nas cotas.  

3- Na APC, existe um controle geográfico excelente, equivalente ao que se poderia obter em qualquer amostra probabilística. Na AC, as pesquisas acabam tendo uma aglomeração geográfica muito maior. 

4- Na APC o objetivo das cotas é controlar a probabilidade de resposta das pessoas. Na AC, o objetivo é reproduzir características demográficas da população alvo.

(…) as metodologias (e as criticas) são muito diferentes. Mais importante, existe um efeito negativo importante na qualidade da AC pelo fato das entrevistas serem realizadas em pontos de fluxo. Apenas para exemplificar, no artigo [Ref2] sobre AC, os autores dizem que os maiores vícios encontrados na comparação foram: 1) A distribuição geográfica da amostragem por cotas (AC) era mais aglomerada, 2) na amostragem probabilística (aquela da prática, com voltas e substituições) havia mais não-resposta na variável de renda e 3) foram observadas mais pessoas na categoria sem renda/com renda baixa e renda alta do que na AC.

(…)

Meu ponto é: outras características metodológicas, além das cotas, também são claramente responsáveis por vícios observados na AC. Pra mim, pesquisas em ponto de fluxo são um sinal de baixa qualidade da pesquisa (potencialmente). Muito mais do que o fato de usar cotas. Cotas podem ser bem efetivas, principalmente se forem associadas com variáveis claramente relacionadas com a probabilidades de resposta de uma pessoa. Também é relevante em qual estágio se utilizam cotas. Por isso é importante distinguir entre AC e APC.

Outro problema é que o documento divulgado no TSE é muitas vezes pouco claro com relação a certos detalhes da metodologia. Se você se interessa pelo tema, deixo também os links para outros dois posts interessantes do Neale: este e este.

UPDATE: Previsões para eleições: o que estão dizendo para amanhã? Atualização com as pesquisas de hoje.


A vantagem de um modelo bayesiano é a a forma coerente de atualizar as probabilidades frente às novas informações. E o Polling Data atualizou suas previsões, agora à tarde, considerando as novas pesquisas eleitorais: são 79% de chances para Aécio ir ao segundo turno.

pollingdata2

As estimativas pontuais ficaram em 40% para Dilma, 24% para Aécio e 21% para Marina.  Leia um pouco mais sobre o assunto no blog do Neale.

Daniel Marcelino também havia atualizado as probabilidades, com 40% para Dilma, 23% para Aécio e 22% para Marina.

Previsões para eleições: o que estão dizendo para amanhã?


O que o pessoal que se aventurou nesta empreitada está chutando dizendo um dia antes da contenda eleitoral?

Acredito que há dois eventos que devem ser vistos com mais atenção: (i) uma possível eleição da Dilma no primeiro turno; e (ii) a possibilidade de Aécio ultrapassar Marina e ir para o segundo turno.

Polling Data

UPDATE: O Polling Data atualizou as probabilidades com as novas pesquisas eleitorais. Agora são 79%  de chances para Aécio ir ao segundo turno. Leia mais no blog do Neale.

pollingdata2

Os resultados a seguir eram da previsão pela manhã, antes das novas pesquisas.

Neale El-Dash, do Polling Data, está dando apenas 2% de chances de não ter segundo turno. Já para o Aécio passar Marina, a probabilidade está em cerca de 22% – baixa, mas plausível. Grosso modo, isto é uma em cada 4 ou 5 vezes.

pollingdata

A previsão mais recente dos votos está em 39% para Dilma, 23% para Marina e 21% para Aécio.

Daniel Marcelino

As previsões mais recentes do Daniel são: 39% para Dilma, 23% para Marina e 18% para Aécio. Considerando somente os votos válidos, esses números passariam para: Dilma 46%; Marina 28%; e, Aecio 22%.

Com relação a Aécio ultrapassar Marina, as chances parecem um pouco menores do que no modelo de Neale. No olhomêtro, com o gráfico abaixo, está em algo em torno de 5%. E o segundo turno também parece bastante provável.

Marina_Aecio

Vidente Carlinhos

Para não ficar só com os modelos Bayesianos, vamos colocar algo místico no páreo: o vidente Carlinhos, que ficou famoso por “prever” a derrota do Brasil e a “saída” de Neymar durante a copa.  Pense no Carlinhos como um grupo de controle. Há vários outros “videntes” por aí que poderiam ser incluídos, mas esse é o mais divertido.  O interessante da previsão do Carlinhos é que ela é ousada (algo natural para quem não tem nada a perder, pois se acertar leva a fama e se errar pode dar uma desculpa): Aécio não somente ultrapassaria Marina, como ganharia a eleição no segundo turno.  Note que essa previsão tem baixa probabilidade nos dois modelos bayesianos. Entretanto, o problema principal da previsão do vidente é que ela não é probabilística. Deste modo, acertando ou errando, não conseguimos mensurar direito o quanto ele acertou ou errou – algo fundamental para comparar modelos de previsão – e que podemos fazer com as outras elencadas acima. 

***

Conhece mais alguma previsão? Informe aqui para que possamos acompanhar e ver quem se saiu melhor.

Previsões para a copa: USP e UFSCar x Nate Silver x Céticos


Previsões brasileiras

Grupo de Modelagem Estatística no Esporte (GMEE), parceria de um pessoal da USP e UFSCar, também colocou no ar um site com previsões para a copa, tanto nas classificações, quanto no jogo a jogo (resumi as probabilidades jogo a jogo em uma tabela ao final do post). Na última copa, o GMEE deu uma bola dentro: o grupo (a contra-gosto dos brasileiros) estimou como favoritos Espanha e Holanda.

Uma das coisas de que eu particularmente gostei neste site é que, além das probabilidades, eles colocaram um boxplot que ilustra a incerteza das estimativas. Assim como nas previsões do Nate Silver, o Brasil consta como favorito, entretanto com uma probabilidade menor: 30%.

boxplot

Como comparar previsões? Nate Silver x GEMM x Céticos

Agora já temos dois modelos diferentes para a copa do mundo. E há muitos outros por aí (que não coletei os dados por falta de tempo). Como avaliar a performance dessas previsões?

Uma forma simples e efetiva é utilizar o erro quadrático médio (que pode ser decomposto em outras medidas mais refinadas). Suponha que você atribua a probabilidade p a um evento x. O erro quadrático será:

(p – x)^2

Em que x é uma variável dummy que assume valor 1 se o evento em questão ocorrer e 0 caso contrário. Note que o melhor resultado possível é um erro de zero, e isto acontece quando você dá probabilidade de 100% para um evento que ocorre (1-1)^2 ou uma probabilidade 0% para um evento que não ocorre (0-0)^2. Já o pior resultado é um erro de 1, que acontece quando você diz que era impossível algo ocorrer (0%), mas este algo ocorre (0-1)^2, ou quando você diz que algo ocorrerá com certeza (100%) e o evento não ocorre (1-0)^2.

Quando há mais de um evento possível, calculamos isso para cada um deles e tiramos uma média, sob a restrição de que a probabilidade atribuída ao conjunto some 1. Por exemplo,  no caso da copa, em cada jogo há três resultados possíveis e mutuamente excludentes. Isto é,  tomando um dos times como referência, ou ele ganha, ou perde, ou empata. Suponha, por exemplo, que uma vitória tenha ocorrido. O erro quadrático médio de uma previsão para o jogo será:

((Probabilidade Estimada de Vitória – 1)^2 + (Probabilidade Estimada de Derrota – 0)^2 + (Probabilidade Estimada de Empate – 0)^2 ) /3

Vejamos, o caso do jogo Brasil x Croácia.

Nate Silver estimou chances de 88% para o Brasil,  9% para o empate e 3% para a derrota.  Já o GMEE foi mais conservador em sua previsão, estimando probabilidades de 66%, 21% e 13%, respectivamente. Ambos colocaram o Brasil como favorito e, realmente, o Brasil ganhou. Entretanto, como Nate deu maior certeza ao evento que de fato ocorreu, seu erro quadrático nesta partida foi de apenas 0.01, contra 0.06 do GMEE.

Note que estamos começando a distinguir entre tipos de previsões, mesmo que elas apontem o mesmo time como favorito.

Podemos fazer outra comparação. Suponha que você seja um cético de previsões no futebol. Afinal, poder-se-ia argumentar, trata-se de um esporte bastante imprevisível em que tudo pode acontecer.  Uma vitória, derrota ou empate são equiprováveis (33,33% cada). E de fato, caso isso fosse verdade, este seria o cenário mais difícil de se acertar.

Qual é o erro quadrático do cético? Ao atribuir a mesma probabilidade para todos os eventos, ele sempre terá o mesmo erro independentemente do resultado: 0.22. É uma estratégia conservadora, com previsões não informativas. Podemos, então, utilizar o cético como um benchmark mínimo. Em outras palavras, para o modelo ser minimamente aceitável, ele tem de, na média, errar menos do que o cético.

Depois de 11 partidas, como estão os previsores?

Nate Silver está na frente, com um erro médio de 0.159; O GMEE está apenas um pouco atrás, com erro de 0.163. E ambos, pelo menos por enquanto, com bastante vantagem em relação ao cético.

Esta é uma primeira aproximação para avaliar as previsões e ela pode ser refinada. Por exemplo, vocês notaram que não houve empate na Copa até agora? A probabilidade média estimada para os empates está em cerca de 23%. Se isso continuar a ocorrer por mais algumas partidas, desconfiaremos de que a probabilidade de empate dos modelos não está bem calibrada.

Discutiremos esta e outras medidas para avaliar as previsões no futuro. Vejamos um pouco sobre a atualização de modelos.

Atualização das probabilidades

Um bom modelo de previsão, sempre quando possível, deve tentar incorporar informações novas em seus cálculos.  Tomemos o caso da Holanda, que goleou a Espanha mesmo enquanto todos consideravam esta última como favorita.  Intuitivamente, após observar este resultado, você diria que as chances de a Holanda ganhar do Chile no dia 23 de junho devem permanecer as mesmas? Provavelmente não.

Se, em seu modelo, você dava baixa probabilidade para este evento, isto é um sinal de que você tem de reajustar, pelo menos um pouco, suas expectativas. O FiveThirtyEight está fazendo isso.  Antes do jogo Holanda x Espanha, o modelo estimava que o Chile era favorito contra a Holanda no dia 23: 48% de chances de ganhar. Agora a situação se inverteu e a laranja mecânica é a favorita com 37%.

Essas atualizações tentam aprimorar o modelo, mas será que as novas probabilidades serão melhores do que as anteriores? Como de costume, isto é uma questão empírica, e somente descobriremos  no decorrer dos jogos.

 

***

Probabilidade jogo a jogo do Previsão Esportiva

previsoes1

Nate Silver – Previsões para a copa do mundo


Nate Silver lançou suas previsões para a copa do mundo: Brasil sai como favorito, com 45% chances de ganhar.
20140609-213015-77415484.jpg
O que você acha das previsões? Quer entender como chegaram a esses números? Leia, aqui, a discussão que Nate faz sobre o modelo!

useR! 2014


O maior encontro da comunidade do R, este ano, será na Universidade da California, em Los Angeles (UCLA), e desta vez estarei lá! Dêem uma olhada nos tutoriais programados – vai ser difícil escolher um.  A UCLA também é a casa de dois excelentes pesquisadores que já mencionei aqui no blog: Edward Leamer e Judea Pearl – espero conseguir encontrá-los!

useR-middle

Que variáveis incluir na regressão? Ou, por que grande parte dos trabalhos aplicados está errada.


Suponha que você queira medir o efeito de X em Y (isto é, o quanto uma variação de X afeta Y – uma relação causal) e que você tenha mais duas variáveis que podem ser incluídas como controle, Z1 e Z2. Suponha ainda que você saiba que o modelo é linear, isto é, não há nenhuma incerteza com relação à especificação. Quais variáveis você incluiria no seu modelo?

Hoje, provavelmente você diria o seguinte: depende da significância! São Z1 e Z2 significantes? Se sim, eles devem ser incluídos.

Vejamos um exemplo de uma simulação. O código em R está ao final do post.

Vamos rodar as três regressões: uma só com X, outra incluindo Z1 e por fim uma com todos os controles. Os resultados foram os seguintes:

Equação 1: Y = -10 + 43X ***

Equação 2: Y = -7 + 13X * + 107Z1 ***

Equação 3: Y = -5 – 9X * + 46Z1 *** + 37Z2 ***

Pelos resultados, tanto Z1 quanto Z2 são significantes, então preferimos a equação 3. Concluímos que, na média, uma variação de 1 unidade de X reduz Y em 9 unidades. Certo?

***

Errado. O modelo ideal neste caso seria a equação 2. O efeito real de X sobre Y é de 10 (veja que valor estimado foi 13, bem próximo). O problema aqui é que a significância estatística não vai te responder sobre a pertinência de incluir ou não uma variável para estimar o efeito de X sobre Y. Infelizmente, não há almoço grátis. Como diz Judea Pearlsem saber a estrutura do problema, não é possível determinar quais variáveis devem ser incluídas. Agora pense. Como é a lógica de trabalho dos artigos aplicados hoje? *** A simulação A nossa simulação tem a seguinte estrutura  (U1 e U2 dizem respeito a duas variáveis não observadas, só observamos Y, X, Z1 e Z2): dagitty-model O código em R para gerar os resultados é:

gen_data <- function(N=200,s=2,beta1=10, beta2=100){
Z1 <- rnorm(N,0,s)
U2 <- rnorm(N,0,s) + Z1
U1 <- rnorm(N,0,s) + Z1
Z2 <- rnorm(N,0,s) + U2 + U1
X <- rnorm(N,0,s) + U1
Y <- rnorm(N,0,s) + beta1*X + beta2*U2
data.frame(Y,X,Z1,Z2)
}

set.seed(100)
data <- gen_data()
summary(lm(Y~X, data))
summary(lm(Y~X + Z1, data))
summary(lm(Y~X + Z1 + Z2, data))

Você pode brincar mais com o paradoxo de Simpson aqui; e o gráfico você pode fazer aqui.