Visualizações dinâmicas dos investimentos estrangeiros no Brasil!


Os resultados do Censo de Capitais Estrangeiros no País, para o ano-base 2012, acabaram de ser divulgados no site do Banco Central do Brasil.

E, desta vez, o Censo trouxe duas novidades de visualização que merecem destaque:

- Mapa do IED participação no capital, feito em D3.js:

Visualizar mapa

- Treemap do IED participação no capital, com separações por país ou por setor, feito em D3plus.js:

Visualizar distribuição

Nas duas visualizações, vale a pena brincar com a distribuição do IED pelos critérios de país do investidor imediato e país do investidor final. Note que nem todas as combinações de país e setor são possíveis, pois esta abertura dos dados pode não estar disponível. O arquivo em formato xls pode ser baixado aqui.

Analise a pesquisa mensal de emprego com R


Mais um post no excelente analyze survey data for free, agora com a PME.

Parabéns ao Anthony Damico e ao Djalma Pessoa pela iniciativa!

 

Investimento Estrangeiro Direto no Brasil por Estado (Indústria)


Os dados do Censo de Capitais Estrangeiros no País, em 2010, trouxeram a distribuição do Investimento Estrangeiro Direto (IED) na indústria por Unidade da Federação (UF).

Somente da Indústria? E como foi feita a distribuição? Aqui voltamos ao que já dissemos sobre erro de medida (ver aqui, aqui, aqui e aqui, por exemplo). Distribuir o estoque investimento estrangeiro por UF é algo complicado, sujeito a erros diversos, tanto ao se definir a metodologia, quanto ao se mensurar o valor. No censo de 1995, por exemplo, os dados foram distribuídos por estado “[...] tomando por base o endereço da sede da empresa”. Será que essa é uma boa medida? Depende.

Percebe-se que uma indústria que concentre o grosso da sua estrutura produtiva no Pará, mas que tenha sede em São Paulo, será considerada um investimento nesta última UF.  Se a intenção é medir onde se encontra o centro administrativo, esta medida poderá ser boa. Todavia, se intenção é medir onde se encontram as unidades produtivas, esta medida terá, talvez, distorções significativas. Qual a melhor forma, então, de se distribuírem os investimentos por estado? Pela localização da sede? Pela localização do ativo imobilizado? Pela distribuição dos funcionários?  Particularmente, acho que não existe uma métrica única que se sobressaia às demais – a melhor opção depende do uso que você irá fazer da estatística.

Voltando ao Censo, a pesquisa passou a considerar a distribuição do ativo imobilizado como critério para alocação do IED – e apenas para a indústria . Os declarantes distribuíram percentualmente o seu imobilizado pelos diferentes estados e isso foi utilizado para ponderar o investimento direto pelas UF’s.

Segue abaixo mapa do Brasil com a distribuição do IED da indústria por Unidade Federativa:

IED_UF

 Para aprender a fazer o mapa, veja aqui.

Nova base de dados de séries de tempo


Há pouco tempo surgiu uma nova base de dados de série de tempos - Quandl.

Além de agrupar diversas estatísticas de fontes diferentes, o site permite baixar os dados em vários formatos (como excel ou csv) e ainda permite importação de dados diretamente em várias ferramentas de análise, como R e Python. Isso é uma mão na roda em muitos casos.

Outra possibilidade no Quandl é a de incorporar gráficos diretamente nos posts, tal como o exemplo abaixo com a evolução do IPCA acumulado em 12 meses.

Graph of IPCA - Acumulado em 12 meses

Apesar da ressalva de ser uma fonte secundária de informações, para quem ainda não conhecia, certamente vale a pena conferir.

Economia, Democratas e Republicanos


Ontem, dois blogs (Marginal Revolution e Econbrowser) comentaram um interessante artigo de Alan Blinder e Mark Watson. A economia americana, sob quase qualquer ótica que você escolher, se comportou melhor durante os governos democratas do que durante os governos republicanos. Vejam alguns indicadores:

PIB: 4,35% x 2,54%;

Recessões: 8 para os democratas x 41 para os republicanos;

Taxa de desemprego: 5,6% x 6,0% (e variação na taxa de desemprego, -0.8 p.p x +1.1 p.p);

Taxa de inflação: 2,97% x 3,44% (mas os democratas perdem na variação, +1.05 p.p x -0.83 p.p)

Mas o que explicaria essas diferenças? Os democratas governam melhor do que os republicanos? Não necessariamente. Os autores acreditam que os democratas, muito provavelmente, foram simplesmente sortudos. Segundo Blinder e Watson, os fatores que melhor explicam os diferenciais são: os choques de petróleo, os choques de produtividade e as expectativas dos consumidores.

Em suas palavras:

Specifically, Democratic presidents have experienced, on average, better oil shocks than Republicans, a better legacy of (utilization-adjusted) productivity shocks, and more optimistic consumer expectations (as measured by the Michigan ICE).

Minha opinião: o artigo é provocador, mas a evidência apresentada muito ambígua. Mesmo se aceitarmos que essas são as variáveis fundamentais, quer queira, quer não,  tanto o preço do petróleo, quanto as expectativas dos consumidores são variáveis bastante afetadas por decisões políticas; e a “produtividade dos fatores” é um resíduo, indefinido do ponto de vista econômico (os autores admitem essas três qualificações, mas timidamente).

Assim, me parece que, neste caso, não haveria como fugir de uma boa (e extensa) revisão histórica de como e por que se deram os choques (de petróleo e de produtividade), bem como uma boa fundamentação teórica (e, quem sabe, contrafactual) de como esses choques ocorreriam a despeito das decisões políticas de ambos os partidos.

Livros de R e Python


Compartilharam comigo, agora passo em frente. Seguem dois links com alguns livros em pdf para programação em R e em Python.

Mais sobre Python: o Sargent publicou um livro online de modelagem e economia quantitativa com a linguagem.

Concentração do Investimento Brasileiro no Exterior e erro de medida


Já que falamos do CBE no post anterior, aproveito para destacar outro dado daquela pesquisa, que muitas vezes passa despercebido: a concentração do Investimento Brasileiro Direto (IBD) no exterior em poucos investidores. Na publicação dos resultados, os declarantes foram separados pelo tamanho de seu investimento, como, por exemplo, investidores que possuem investimentos no exterior de até US$ 1 milhão (a menor categoria) ou investidores que possuem investimentos no exterior maiores do que US$1 bilhão (a maior categoria).

No quadro 2 da publicação, você encontrará a seguinte distribuição, reproduzida no gráfico abaixo (agrupei as duas últimas categorias do quadro). Em vermelho, você tem o percentual de investidores que se encontram naquela faixa de investimento – perceba que quase 70% dos declarantes do CBE têm um investimento menor ou igual a  US$ 1 milhão e que apenas 0,3% dos declarantes possuem investimentos maiores do que US$500 milhões. Já em azul, você encontra o quanto cada uma dessas categorias responde pelo valor total declarado. Note que 0,3% dos declarantes respondem por cerca de 70% dos 356 bilhões de dólares que o Brasil possuía investidos no exterior.

Concentracao IBD

Em outras palavras, a distribuição do IBD tem cauda bastante pesada – poucas observações respondem pela quase totalidade do valor. Além de ilustrar  o grau de concentração deste tipo de investimento , isto tem uma implicação importante com relação ao (provável) erro de medida, e consequentemente, na incerteza dessas estatísticas.

Para tanto, vejamos o quadro 7, que é análogo ao quadro 2, mas faz a separação apenas para a modalidade de IBD participação no capital. Pelo quadro, 32 declarantes respondem por US$ 158 bilhões do estoque total, isto dá, na média, cerca de US$ 5 bilhões por declarante. Agora veja a distribuição da mesma modalidade por país (quadro 3). Em 2012, o maior estoque de IBD participação no capital, segundo o quadro 3 do CBE, estava na Áustria, com cerca de US$ 57 bilhões. Este valor, então, decresce exponencialmente, sendo a média por país mais ou menos US$ 6 bilhões e a mediana US$ 1 bilhão. Perceba que, caso apenas um dos grandes declarantes esteja classificado de forma errada – e considerando, conservadoramente, o valor médio do grupo – no melhor cenário, se o erro for na Áustria, isso responde por 10% do total estimado para aquele país; se for em um país de IBD médio, isso responde por um erro de 83%; e se for em um país de IBD mediano, o valor do erro é cinco vezes maior do que o valor estimado!

Então se, por um lado, o fato de a distribuição estar concentrada em poucos investidores reduz o número de declarantes que o Banco Central precisa investigar para validar grande parte do valor total declarado, por outro, o impacto de apenas um registro errado pode ser bastante significativo. Note a diferença deste tipo de estatística, para, por exemplo, a estimativa da expectativa de vida média do brasileiro – neste caso, vários registros errados dificilmente alterariam o valor médio de forma substancial.

Para finalizar,  uma curiosidade. Veja abaixo os gráficos do logaritmo do valor do investimento (X) contra o logaritmo da probabilidade de o investidor ter investimentos maiores do que X (a linha preta é reta de regressão). Lembra o gráfico de um lei de potência, não?

CBE_ConcentracaoMais sobre este tipo de assunto neste blog aqui.