Economia e Análise de Redes


Para quem estava na dúvida sobre como começar, segue uma lista bacana com um livro, um curso no Coursera e 4 apresentações. Além disso, para não ficar só na teoria, lembre de aprender a usar o igraph no R (livro aqui e slides aqui).

Matthew O. Jackson, Stanford University
Social and Economic Networks: Backgound

Slides (pdf)

***

Daron Acemoglu, MIT
Networks: Games over Networks and Peer Effects

Slides (pdf)

***

Matthew O. Jackson, Stanford University
Diffusion, Identification, Network Formation

***

Daron Acemoglu, MIT
Networks: Propagation of Shocks over Economic Networks

Futebol e teorias econômicas


Os jogadores batem pênalti como previsto pela teoria dos jogos? Os mercados de apostas no futebol são eficientes?  Confira o  artigo de Ignacio Palacios-Huerta no NYT e veja como o futebol pode ter interseção com temas da teoria econômica.

Via Al Roth.

As coisas mudam…igualdade de gêneros.


Em 1824, James Mill (pai de John Stuart Mill) publicou um ensaio, suplemento da enciclopédia britânica, intitulado On Government. A certa altura, ao discorrer sobre como definir o eleitorado em uma democracia representativa, menciona (grifo meu):

One thing is pretty clear, that all those individuals whose interests are indisputably included in those of other individuals may be struck off without inconvenience. In this light may be viewed all children, up to a certain age, whose interests are involved in those of their parents. In this light, also, women may be regarded, the interest of almost all of whom is involved either in that of their fathers or in that of their husbands.

Essas poucas linhas geraram uma furiosa resposta, de mais de 200 páginas, de William Thompson e Anna Wheeler, no livro – com título mais do que auto-explicativo – Appeal of One Half the Human Race, Women, Against the Pretensions of the Other Half, Men, to Retain Them in Political, and hence in Civil and Domestic Slavery.  A visão de James Mill, felizmente, também não foi seguida por seu filho, que, mesmo que tardiamente, publicou ensaio em defesa da igualdade de gêneros, The Subjection of Women.

Avançou-se bastante. Mas, aproveitando o assunto, vale lembrar que a causa não deve ser utilizada para justificar irracionalidades econômicas, como nestes casos de salão de beleza (aqui) e seguro de automóvel (aqui).

A economia dos mundos virtuais


Inflação, deflação, ciclos econômicos e corridas bancárias também existem nos mundos virtuais, que podem servir como grande fonte de dados para análises econômicas. Para mais, leia esta interessante matéria do Washington Post.

Via Mankiw e Marginal Revolution.