Comentário sobre o Workshop Internacional em Teoria dos Jogos


Não,os comentários não são meus, pois infelizmente não pude ir (por uma boa causa)! Mas, Adriano Teixeira relata um pouco sobre a experiência de participar de um workshop com vários ganhadores do prêmio nobel.

Ainda o Nobel: sobre a Matemática


Aproveitando o prêmio Nobel, o EconLog trouxe uma passagem do artigo de Galey e Shapley, sobre a matemática, que vale ser citada integralmente:

Finally, we call attention to one additional aspect of the preceding analysis which may be of interest to teachers of mathematics. This is the fact that our result provides a handy counterexample to some of the stereotypes which non-mathematicians believe mathematics to be concerned with.

Most mathematicians at one time or another have probably found themselves in the position of trying to refute the notion that they are people with “a head for figures.” or that they “know a lot of formulas.” At such times it may be convenient to have an illustration at hand to show that mathematics need not be concerned with figures, either numerical or geometrical. For this purpose we recommend the statement and proof of our Theorem 1. The argument is carried out not in mathematical symbols but in ordinary English; there are no obscure or technical terms. Knowledge of calculus is not presupposed. In fact, one hardly needs to know how to count. Yet any mathematician will immediately recognize the argument as mathematical, while people without mathematical training will probably find difficulty in following the argument, though not because of unfamiliarity with the subject matter.

What, then, to raise the old question once more, is mathematics? The answer, it appears, is that any argument which is carried out with sufficient precision is mathematical, and the reason that your friends and ours cannot understand mathematics is not because they have no head for figures, but because they are unable [or unwilling, DRH] to achieve the degree of concentration required to follow a moderately involved sequence of inferences. This observation will hardly be news to those engaged in the teaching of mathematics, but it may not be so readily accepted by people outside of the profession. For them the foregoing may serve as a useful illustration.

O Noah Smith também aproveita o tema para desenvolver um pouco sobre a matemática e a economia.

Nobel vai para teoria dos jogos: Alvin Roth e Lloyd Shapley


Bacana, o prêmio Nobel vai para dois autores de teoria dos jogos, Alvin Roth e Lloyd Shapley!

Eu gosto bastante dos trabalhos de Alvin Roth, já havíamos falado dele aqui. Ele é um autor que, apesar da sofisticação técnica, busca aplicar, com sucesso,  a teoria dos jogos na prática.

Na lista de blogs à direita, você encontrará um chamado Market Design, cujo autor é o Alvin Roth. Tendo em vista a notícia, o post de hoje  é de que talvez o blog se atrase – mais do que merecido!

Sobre teorias econômicas


Relendo Von Neumann e Morgenstern, Theory of Games and Economic Behavior, logo nas primeiras folhas há uma passagem que merece ser relembrada, principalmente para aqueles que acreditam em uma explicação geral para tudo, em monismo teórico ou metodológico na economia:

First let us be aware that there exists at present no universal system of economic theory and that, if one should ever be developed, it will very probably not be during our lifetime. The reason for this is simply that economics is far too difficult a science to permit its construction rapidly, especially in view of the very limited knowledge and imperfect description of the facts with which economists are dealing. Only those who fail to appreciate this condition are likely to attempt the construction of universal systems. Even in sciences which are far more advanced than economics, like physics, there is no universal system available at present.

Teoria dos jogos na prática 2


Já tínhamos visto a teoria dos jogos na prática aqui.

Agora veja Hal Varian explicando uma versão modificada do leilão de Vickrey, buscando incentivos compatíveis entre o Google, o usuário e o anunciante para as propagandas do Google.

P.S. Aproveito para deixar aqui as dicas do Varian sobre como construir modelos econômicos no seu tempo livre.

Teoria dos jogos na prática


Há algum tempo tinha lido esta matéria bem legal da “The Economist” e sempre me esquecia de compartilhar, agora vai. Ela menciona várias aplicações de teoria dos jogos. Um dos autores mencionados é o Bueno de Mesquita, que já apresentou uma palestra no TED. Ainda não tive tempo de ler os livros, tampouco os artigos do autor, mas já ouvi boas referências sobre a “Selectorate Theory” e críticas bastante incisivas ao “The Predictioneer’s game“. O pé atrás com relação ao Bueno de Mesquita surge no próprio vídeo do TED: 90% de acurácia é simplesmente bom demais para ser verdade. Mas ele não deixa de ser polêmico e incitar a curiosidade sobre os trabalhos que presta em sua consultoria privada. Se tem gente pagando por suas previsões, não é provável que todos sejam otários e que elas não sejam de alguma valia (mas, lógico, improvável não quer dizer impossível).

Também gostaria de compartilhar o site e o blog do Alvin Roth. O autor faz um uso bem interessante da teoria dos jogos para o programa de matching dos residentes de medicina nos EUA (no Brasil, lembro do artigo da Marilda Sotomayor sobre matching na pós-graduação em economia). Ele também trabalha com matching para doações de órgãos quando o mercado, por algum motivo, não é permitido, entre outras aplicações. Aproveito igualmente para compartilhar um link de uma matéria, um pouco antiga, mas bacana que havia lido sobre o Alvin Roth no Boston Globe. Para quem buscava exemplos de aplicações para teoria dos jogos, os links acima têm material para muitos dias de diversão.