Economistas como engenheiros? Ou, leia Who Gets What — and Why


Viajar faz bem, nem que seja para nos forçar a ler na sala de espera. No caminho para Los Angeles finalmente tive tempo para terminar o livro do Alvin Roth Who Gets What – and Why. Confesso que por alguma razão — que não sei bem precisar, talvez pela pretensão do título — estava receoso. Mas como admiro o trabalho do Roth não poderia deixar de ler. Ainda bem. Esse é, sem dúvida, um dos melhores livros de economia (para o público geral) publicados recentemente.

Quando Alvin Roth ganhou o Nobel (ok, o Prêmio dado pelo Banco Central Sueco em memória de Alfred Nobel) os temas “desenho de mercados” e “economistas como engenheiros” vieram à tona e vimos muita coisa absurda escrita por aí — isso para dizer o mínimo. Não vou compartilhar os links para poupar essas pessoas que talvez deixaram-se levar mais por preconceitos e velhos dogmas do que pela razão. Criticaram provavelmente sem conhecer a literatura e talvez hoje tenham noção do que escreveram.

Mas, na verdade, esse tipo de reação não era inesperado. A ideia de uma economia parecida com uma “engenharia” pode parecer aviltante para muitos colegas, sejam liberais ou intervencionistas. Ora, afinal de contas, a economia é uma ciência social, não é mesmo!? Como podem economistas agirem como engenheiros? O problema é que muitos economistas/cientistas sociais estão acostumados a discutirem de maneira solta e informal pretensas “grandes perguntas” e interpretam qualquer assertiva dentro desse contexto. Quando você lida com questões do naipe “o planejamento estatal é bom ou ruim para a economia?” pensar em economistas como engenheiros certamente vai acender um alerta.

Mas não se trata disso. A ideia aqui é simplesmente resolver problemas reais e prementes presentes em “mercados” (no sentido amplo do termo), seja na esfera pública ou privada — daí o “engenheiro”. Suponha que você tenha uma empresa como o Google e queira saber a melhor forma de vender espaços para os anúncios. Ou que você tenha uma empresa como o eBay e queira saber a melhor forma de fazer com que compradores e vendedores saibam quem tem uma boa reputação de verdade. Ou, ainda, que você trabalhe para o governo e queira reformular o sistema que distribui alunos entre as escolas públicas. Como abordar essas questões?

A coisa não para aí — leilões de espectro, regras para negociações nas bolsas de valores, mecanismos para doações de rins, alocação de médicos/advogados recém-formados no mercado de trabalho… todos problemas importantes e reais do dia-a-dia com uma alta demanda por pessoas com a capacidade analítica de solucioná-los. E nisso a economia pode ajudar bastante (principalmente teoria dos jogos). O Vale do Silício, por exemplo, tem espaço para profissionais com essa formação.

A maioria dos economistas não vai trabalhar diretamente com “as grandes questões” e um nicho de atuação importante e crescente do economista é entender melhor como mercados funcionam, como e por que alguns mercados funcionam melhor do que outros, e como podemos atuar para resolver problemas reais desses mercados. O livro do Roth é um ótimo lugar para começar a pensar sobre esse assunto.

51xg1ql-zgl-_sx329_bo1204203200_

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s