Economistas como engenheiros? Ou, leia Who Gets What — and Why


Viajar faz bem, nem que seja para nos forçar a ler na sala de espera. No caminho para Los Angeles finalmente tive tempo para terminar o livro do Alvin Roth Who Gets What – and Why. Confesso que por alguma razão — que não sei bem precisar, talvez pela pretensão do título — estava receoso. Mas como admiro o trabalho do Roth não poderia deixar de ler. Ainda bem. Esse é, sem dúvida, um dos melhores livros de economia (para o público geral) publicados recentemente.

Quando Alvin Roth ganhou o Nobel (ok, o Prêmio dado pelo Banco Central Sueco em memória de Alfred Nobel) os temas “desenho de mercados” e “economistas como engenheiros” vieram à tona e vimos muita coisa absurda escrita por aí — isso para dizer o mínimo. Não vou compartilhar os links para poupar essas pessoas que talvez deixaram-se levar mais por preconceitos e velhos dogmas do que pela razão. Criticaram provavelmente sem conhecer a literatura e talvez hoje tenham noção do que escreveram.

Mas, na verdade, esse tipo de reação não era inesperado. A ideia de uma economia parecida com uma “engenharia” pode parecer aviltante para muitos colegas, sejam liberais ou intervencionistas. Ora, afinal de contas, a economia é uma ciência social, não é mesmo!? Como podem economistas agirem como engenheiros? O problema é que muitos economistas/cientistas sociais estão acostumados a discutirem de maneira solta e informal pretensas “grandes perguntas” e interpretam qualquer assertiva dentro desse contexto. Quando você lida com questões do naipe “o planejamento estatal é bom ou ruim para a economia?” pensar em economistas como engenheiros certamente vai acender um alerta.

Mas não se trata disso. A ideia aqui é simplesmente resolver problemas reais e prementes presentes em “mercados” (no sentido amplo do termo), seja na esfera pública ou privada — daí o “engenheiro”. Suponha que você tenha uma empresa como o Google e queira saber a melhor forma de vender espaços para os anúncios. Ou que você tenha uma empresa como o eBay e queira saber a melhor forma de fazer com que compradores e vendedores saibam quem tem uma boa reputação de verdade. Ou, ainda, que você trabalhe para o governo e queira reformular o sistema que distribui alunos entre as escolas públicas. Como abordar essas questões?

A coisa não para aí — leilões de espectro, regras para negociações nas bolsas de valores, mecanismos para doações de rins, alocação de médicos/advogados recém-formados no mercado de trabalho… todos problemas importantes e reais do dia-a-dia com uma alta demanda por pessoas com a capacidade analítica de solucioná-los. E nisso a economia pode ajudar bastante (principalmente teoria dos jogos). O Vale do Silício, por exemplo, tem espaço para profissionais com essa formação.

A maioria dos economistas não vai trabalhar diretamente com “as grandes questões” e um nicho de atuação importante e crescente do economista é entender melhor como mercados funcionam, como e por que alguns mercados funcionam melhor do que outros, e como podemos atuar para resolver problemas reais desses mercados. O livro do Roth é um ótimo lugar para começar a pensar sobre esse assunto.

51xg1ql-zgl-_sx329_bo1204203200_

Previsões para o Impeachment


Agora que o processo foi aberto, acho que muitos vão querer brincar com diferentes cenários. Por enquanto conheço apenas duas ferramentas que possam satisfazer um pouco sua curiosidade:

1. O Polling Data do Neale, que tem uma seção para o impeachment (vá em Modelos/Big Data e depois em impeachment); e

Captura de Tela 2015-12-02 às 22.01.36

(se o site não funcionar agora, tente novamente mais tarde, o Polling Data está passando por problemas técnicos)

2. O “Vai Passar” do Estadão Dados (mas que não tem a opção de simular com 2/3 dos votos).

Captura de Tela 2015-12-02 às 22.01.57

PS: o que mais gostaria de ver agora seria uma análise com teoria dos jogos explicitando bem todos os jogadores, as jogadas permitidas e respectivos payoffs .

Let the simulations begin!

Fluxo de caixa descontado, O melhor jogo de tabuleiro do planeta, teoria dos jogos e casamentos.


Alguns links interessantes pós-carnaval. Hora de voltar ao ritmo.

– Damodaran fez um post bem bacana sobre fluxo de caixa descontado (FCD), mostrando que não é somente, digamos, um fluxo de caixa descontado. Vale a pena pela etimologia de FCDs mal-feitos e pelo checklist para saber se você está fazendo direito.

– Como fazer o melhor jogo de tabuleiro do planeta? War, Jogo da Vida e Banco Imobiliário estão entre os piores? Dois posts bacanas do 538 que queria ter compartilhado há algum tempo seguem agora aqui e aqui.

– Dollar auction na vida real, por  SMBC:

20141229

Comentário sobre o Workshop Internacional em Teoria dos Jogos


Não,os comentários não são meus, pois infelizmente não pude ir (por uma boa causa)! Mas, Adriano Teixeira relata um pouco sobre a experiência de participar de um workshop com vários ganhadores do prêmio nobel.

Ainda o Nobel: sobre a Matemática


Aproveitando o prêmio Nobel, o EconLog trouxe uma passagem do artigo de Galey e Shapley, sobre a matemática, que vale ser citada integralmente:

Finally, we call attention to one additional aspect of the preceding analysis which may be of interest to teachers of mathematics. This is the fact that our result provides a handy counterexample to some of the stereotypes which non-mathematicians believe mathematics to be concerned with.

Most mathematicians at one time or another have probably found themselves in the position of trying to refute the notion that they are people with “a head for figures.” or that they “know a lot of formulas.” At such times it may be convenient to have an illustration at hand to show that mathematics need not be concerned with figures, either numerical or geometrical. For this purpose we recommend the statement and proof of our Theorem 1. The argument is carried out not in mathematical symbols but in ordinary English; there are no obscure or technical terms. Knowledge of calculus is not presupposed. In fact, one hardly needs to know how to count. Yet any mathematician will immediately recognize the argument as mathematical, while people without mathematical training will probably find difficulty in following the argument, though not because of unfamiliarity with the subject matter.

What, then, to raise the old question once more, is mathematics? The answer, it appears, is that any argument which is carried out with sufficient precision is mathematical, and the reason that your friends and ours cannot understand mathematics is not because they have no head for figures, but because they are unable [or unwilling, DRH] to achieve the degree of concentration required to follow a moderately involved sequence of inferences. This observation will hardly be news to those engaged in the teaching of mathematics, but it may not be so readily accepted by people outside of the profession. For them the foregoing may serve as a useful illustration.

O Noah Smith também aproveita o tema para desenvolver um pouco sobre a matemática e a economia.