Trump e políticas pró-empresa vs políticas pró-mercado


Saber fazer a distinção entre políticas pró-empresa e políticas pró-mercado é fundamental – mas, infelizmente, um ponto em que geralmente ainda há muita confusão entre as pessoas. 

Quando o PT decide dar benefícios para a JBS, por exemplo, isso é uma política pró-empresa – certamente vai beneficiar os atuais donos da JBS, mas dificilmente veremos benefícios para a economia como um todo no longo prazo. 

Outro nome comum para isso é capitalismo de compadres: ao invés de melhorar o ambiente para a livre-iniciativa, vemos surgir um ambiente que favorece os amigos do governo.

Digo isto porque há algum tempo estava querendo escrever um pouco sobre Trump – ou, ao menos, minhas primeiras impressões sobre Trump – que, infelizmente, parece tender para políticas de um capitalismo de compadres. Mas o Zingales acabou de escrever sobre o assunto então apenas deixo aqui o post como sugestão.

Previsões para o Impeachment 4 – mercados de previsão


Para finalizar, além dos modelos apresentados nos posts anteriores (aqui e aqui), temos dois mercados de previsão em que o evento da queda de Dilma Rousseff é negociado.

O Predict It:

Captura de Tela 2016-04-14 às 21.26.13

E o ipredict:

Captura de Tela 2016-04-14 às 21.26.22

 

Dados de pesquisas eleitorais de 1989 a 2015


Neale Ahmed El-Dash, do Polling Data (que já mencionamos aqui algumas vezes, como no modelo de impeachment), acabou de divulgar dados de pesquisas eleitorais brasileiras publicadas entre 1989 a 2015. Você pode acessar os dados clicando em  “Acervo/Past Elections”.

 

Para quem foram os votos da Marina?


A pergunta que queria fazer era: quantos votos da Marina foram para Aécio ou para Dilma? Para responder isso, precisaria de alguns dados que não tenho e não vou ter tempo de buscar (e que talvez nem estejam disponíveis).

Mas, na verdade, vou fazer outras perguntas simples que talvez sejam tão interessantes quanto e, provavelmente, sejam uma aproximação razoável:  (i) Os votos válidos para Marina explicam de maneira diferente a variação dos votos válidos para Aécio ou para Dilma? (ii) Isso variou entre os estados da federação?

Resumindo, as respostas são:

(i) sim, cada 1 ponto percentual de voto para Marina no primeiro turno previu, na média, 0.56 pp a mais para Aécio e 0.44 pp a mais para Dilma; e,

(ii) sim, a relação foi diferente para cada estado. Entre alguns exemplos, temos que em São Paulo, Rio Grande do Sul e Alagoas a relação pareceu mais pró Aécio;  já em Minas Gerais e Bahia os votos em Marina explicaram pouco da variação. E em Pernambuco ou na Paraíba houve uma ligeira “conversão” pró Dilma.

***

A regressão geral.

Dependent variable:
Variação Aécio Variação Dilma
(1) (2)
Votos Marina (1 turno) 0.558*** 0.442***
(0.005) (0.005)
Constant 1.287*** -1.287***
(0.076) (0.076)
Observations 5,152 5,152
R2 0.732 0.631
Adjusted R2 0.732 0.631
Residual Std. Error (df = 5150) 2.987 2.987
F Statistic (df = 1; 5150) 14,087.540*** 8,817.183***
Note: *p<0.1; **p<0.05; ***p<0.01

E os gráficos gerais e por UF (no gráfico temos o “excesso” de votos recebidos além do que seria esperado se os votos válidos de Marina tivessem sido distribuídos 50-50).

Aécio (Geral)

Aecio_Marina

Aécio (Por UF)

estados_a_m

Dilma (Geral)

Dilma_Marina

Dilma (Por UF)

estados_d_m