Richard Feynman e cheiro de livro


Para quem tem algo muito importante para fazer agora, mas quer procrastinar, seguem duas leituras:

Moral Hazard voltou, e compartilhou um excelente e provocante comentário de Richard Feynman sobre a educação brasileira (PDF direto aqui). Penso eu que ainda há muito disso, infelizmente.

Há pouco tempo havia recomendado a compra de um e-reader, com a ressalva de que não há o cheiro do livro. Não tem jeito, para aqueles viciados em cheirar livros, o e-reader simplesmente não funciona: “[…] and now, as an adult, I love nothing more than curling up with a good book, closing my eyes, breathing in through my nostrils, keeping my eyes closed and not reading yet continuing to draw in oxygen for hours, and, thanks to my fetishized olfactory associations for printed and bound matter, becoming sexually aroused […] One of the most erotic experiences of my life remains book-sniffing, in a Bangkok hotel room, by myself, the Dutch translation of Crime and Punishment while rolling around on a bed of loose pages from Gravity’s Rainbow.”

III Encontro Nacional dos Blogueiros de Economia


A bacana iniciativa do Cristiano M. Costa e Cláudio Shikida terá sua terceira edição!

Dessa vez será na FUCAPE, em Vitória – ES, no dia 12 de Abril.

PS: o Análise Real estará presente em um dos painéis.

 

Estatística no Google


Jeff Leek do Simply Statistics trouxe uma entrevista bacana com Nick Chamandy, um estatístico do Google.

Destaque para a parte em que ele diz que, na maioria dos casos, o estatístico que trabalha no Google não é somente responsável por fazer as análises, mas também por coletar e tratar os dados brutos.

In the vast majority of cases, the statistician pulls his or her own data — this is an important part of the Google statistician culture. It is not purely a question of self-sufficiency. There is a strong belief that without becoming intimate with the raw data structure, and the many considerations involved in filtering, cleaning, and aggregating the data, the statistician can never truly hope to have a complete understanding of the data. For massive and complex data, there are sometimes as many subtleties in whittling down to the right data set as there are in choosing or implementing the right analysis procedure

Esta é uma reflexão importante, principalmente para os (macro)economistas, que dependem em grande medida de dados de terceiros e podem acabar não tendo intimidade com a produção dos dados e o grau de acurácia das medidas.

PS.: o Google realmente parece ser a empresa dos sonhos para quem quer conciliar teoria e prática. Além da entrevista acima, veja Hal Varian aplicando teoria dos jogos na prática aqui.

Estatística na União Soviética


É bastante comum ver argumentos que são contra a liberdade econômica e, ao mesmo tempo, a favor da liberdade acadêmica, artística, de imprensa e de expressão em geral. Confunde-se – propositadamente ou não – democratização da mídia com financiamento público de propaganda ideológica, ou liberdade de imprensa com imprensa “neutra” ou “politicamente correta” (no sentido fluído que essas palavras ganham em cada contexto em que seu interlocutor usa).

Entretanto, ao menos no limite, há uma contradição inerente a este tipo de raciocínio; pois, uma vez que caiba a um órgão central definir quem exerce o quê em cada campo da esfera econômica, isto também abrange a atividade de professores, pesquisadores, jornalistas e artistas.

Se o único jornal a ser permitido no país é um jornal estatal, qual o incentivo para que notícias desfavoráveis ao governo circulem? Se as únicas universidades permitidas no país são estatais, qual o incentivo para que linhas de pesquisa que não agradem ao governo prosperem? E assim por diante. Sim, é possível contra-argumentar este argumento, e depois contra-argumentar o seu contra-argumento, e este é um debate acalorado e interessante; mas não será desenvolvido neste post. A ideia era apenas fazer uma introdução para comentar sobre a situação da ciência estatística na União Soviética na época de Stalin.

A Rússia produziu grandes estatísticos matemáticos, como Kolmogorov e Slutsky (sim, ele também é o mesmo que você estudou em microeconomia). Todavia, conforme se lê em The Lady Tasting Tea: How Statistics Revolutionized Science in the Twentieth Century, o regime comunista considerava que todas as ciências sociais eram, na verdade, ciências de classe, e  deveriam estar subordinadas ao planejamento central do partido. Para eles, a estatística era uma ciência social. E o conceito de “aleatório” ou “erro-padrão” era algo absurdo em uma economia planejada. Nas palavras de Salsburg (p.147-148):

A palavra russa para variável aleatória se traduz como “magnitude acidental”. Para planejadores centrais e teóricos, isso era um insulto […] nada poderia ocorrer por acaso. Magnitudes acidentais poderiam descrever coisas que ocorrem em economias capitalistas – não na Rússia. As aplicações da estatística matemática foram rapidamente reprimidas.

Como resultado os periódicos de estatística foram se extinguindo e os estatísticos matemáticos tiveram que, ou pesquisar assuntos estatísticos disfarçados com outros nomes, ou mudar de área. E enquanto os Estados Unidos utilizavam os desenvolvimentos dos teóricos russos na prática – como no controle de qualidade industrial – a Rússia teve que esperar algumas décadas, até o colapso da União Soviética, para ver o fruto de seus próprios cientistas aplicado à indústria.

Um economista termina com a namorada


Uma aplicação prática – e hilária – da maximização de utilidade. Tive que traduzir alguns trechos:

Os cálculos são bastante simples. Neste ponto da minha vida, o custo de oportunidade de sair com você é bastante elevado. Sexo com você me concede 17 unidades de prazer, mas eu derivo unidades negativas de prazer com a conchinha que vem logo depois […] eu também perco unidades de prazer quando você faz essa coisa estranha com as mãos que você acha que é algo carinhoso, mas parece que você está me arranhando […] enquanto isso, eu poderia estar fazendo muitas outras coisas em vez de gastar tempo com você. Por exemplo, eu poderia estar bebendo no bar irlandês com um grupo de amigos do trabalho. Eu derivo entre 20 e 28 unidades de prazer dando em cima de mulheres bêbadas e safadas no bar. […] no entanto, a maioria dessas mulheres não ri das minhas piadas, o que impulsiona para baixo as unidades de prazer adquiridas. Assim, eu consigo obter entre 14 e 21 unidades de prazer em uma noite no bar. [….] como todos os seres humanos, sei que sou falível e, já que tenho uma tendência natural para descontar indevidamente o futuro, fiz questão de determinar com precisão o valor presente dos custos e benefícios. Mas, mesmo considerando os retornos marginais decrescentes de dar em cima das mulheres bêbadas e safadas supracitadas, os números simplesmente não querem que fiquemos juntos.

Via Mankiw.

1.000.000 de números aleatórios


Um livro que você não pode deixar de ler – da primeira à última página. História imprevisível, do começo ao fim. Quatro estrelas, com alguns dos melhores reviews já produzidos na Amazon.

Destaque para:

40432 33289 53985 30223 99287 (p. 136)

Via Dave Giles.

A inflação na Argentina II


Primeiro, maquiam os índices de preço.Os trabalhadores percebem, passam a não acreditar na inflação oficial, e exigem a inflação do “carrinho de supermercado”. Solução genial e inédita na América Latina: congelam preços dos supermercados.