Economistas como engenheiros? Ou, leia Who Gets What — and Why


Viajar faz bem, nem que seja para nos forçar a ler na sala de espera. No caminho para Los Angeles finalmente tive tempo para terminar o livro do Alvin Roth Who Gets What – and Why. Confesso que por alguma razão — que não sei bem precisar, talvez pela pretensão do título — estava receoso. Mas como admiro o trabalho do Roth não poderia deixar de ler. Ainda bem. Esse é, sem dúvida, um dos melhores livros de economia (para o público geral) publicados recentemente.

Quando Alvin Roth ganhou o Nobel (ok, o Prêmio dado pelo Banco Central Sueco em memória de Alfred Nobel) os temas “desenho de mercados” e “economistas como engenheiros” vieram à tona e vimos muita coisa absurda escrita por aí — isso para dizer o mínimo. Não vou compartilhar os links para poupar essas pessoas que talvez deixaram-se levar mais por preconceitos e velhos dogmas do que pela razão. Criticaram provavelmente sem conhecer a literatura e talvez hoje tenham noção do que escreveram.

Mas, na verdade, esse tipo de reação não era inesperado. A ideia de uma economia parecida com uma “engenharia” pode parecer aviltante para muitos colegas, sejam liberais ou intervencionistas. Ora, afinal de contas, a economia é uma ciência social, não é mesmo!? Como podem economistas agirem como engenheiros? O problema é que muitos economistas/cientistas sociais estão acostumados a discutirem de maneira solta e informal pretensas “grandes perguntas” e interpretam qualquer assertiva dentro desse contexto. Quando você lida com questões do naipe “o planejamento estatal é bom ou ruim para a economia?” pensar em economistas como engenheiros certamente vai acender um alerta.

Mas não se trata disso. A ideia aqui é simplesmente resolver problemas reais e prementes presentes em “mercados” (no sentido amplo do termo), seja na esfera pública ou privada — daí o “engenheiro”. Suponha que você tenha uma empresa como o Google e queira saber a melhor forma de vender espaços para os anúncios. Ou que você tenha uma empresa como o eBay e queira saber a melhor forma de fazer com que compradores e vendedores saibam quem tem uma boa reputação de verdade. Ou, ainda, que você trabalhe para o governo e queira reformular o sistema que distribui alunos entre as escolas públicas. Como abordar essas questões?

A coisa não para aí — leilões de espectro, regras para negociações nas bolsas de valores, mecanismos para doações de rins, alocação de médicos/advogados recém-formados no mercado de trabalho… todos problemas importantes e reais do dia-a-dia com uma alta demanda por pessoas com a capacidade analítica de solucioná-los. E nisso a economia pode ajudar bastante (principalmente teoria dos jogos). O Vale do Silício, por exemplo, tem espaço para profissionais com essa formação.

A maioria dos economistas não vai trabalhar diretamente com “as grandes questões” e um nicho de atuação importante e crescente do economista é entender melhor como mercados funcionam, como e por que alguns mercados funcionam melhor do que outros, e como podemos atuar para resolver problemas reais desses mercados. O livro do Roth é um ótimo lugar para começar a pensar sobre esse assunto.

51xg1ql-zgl-_sx329_bo1204203200_

Foda-se a nuance, entrevista com Alvin Roth, erro de medida no desemprego e Machine Learning no Airbnb.


Algumas leituras e vídeos interessantes

– Kieran Healy mandando um fuck nuance. (Abstract: Seriously, fuck it).

– Entrevista de Alvin Roth no Google:

– Sobre a acurácia das variáveis econômicas: quanto é o desemprego da China? Nessa linha, qual é a medida adequada para “desemprego”? Veja uma discussão interessante para o caso dos EUA no Econbrowser.

Como o Airbnb usa Machine Learning?

Excel, csv e C++ no R. Livro do Alvin Roth, Nova biografia de Steve Jobs. PCO e liberdade de expressão.


Alguns links interessantes:

R

O pessoal do RStudio não para de trabalhar:

Novo pacote (readr) para ler arquivos de texto (csv e similares) no R;

Novo pacote (readxl) para ler arquivos do Excel no R;

Novo pacote (dygraphs) para fazer gráficos interativos de séries temporais no R usando JavaScript; e

O novo RStudio está ficando cada vez mais poderoso: agora tem uma série de recursos novos para C++ como code completion, diagnóstico de sintaxe e source interativo.

Livros

– O Nobel Alvin Roth irá lançar um novo livro para o público geral: Who Gets What — and Why: The New Economics of Matchmaking and Market Design. O livro está em pré-venda, previsto para sair em junho.

– Nova biografia de Steve Jobs está tendo uma boa repercussão no público e na crítica: Becoming Steve Jobs: The Evolution of a Reckless Upstart into a Visionary Leader.

Para finalizar

– Ainda estou na dúvida se é sério, mas o PCO tem um texto  – aparentemente de verdade – defendendo a liberdade de expressão:

Levy Fidelix é um político de direita e inimigo da luta dos homossexuais, e seu discurso foi um ataque direito aos direitos democráticos, mas a condenação dele não é uma vitória da luta pelas liberdades democráticas (…) A multa de um milhão de reais como penalidade para um candidato expressar a sua opinião política em um debate de campanha eleitoral é uma gravíssimo precedente contra a já limitada possibilidade de livre expressão. A crença de que a justiça está do lado do progresso social e da democracia e, por este motivo, podemos dar a ela poderes discricionários, é não só equivocada, como é uma completa cegueira política (…) Nessas condições, é uma política suicida, já não digamos deixar de denunciar estes abusos, mas principalmente aplaudi-los e confundir a consciência das massas, chamando-as apoiar medidas antidemocráticas apenas porque atingem este ou aquele elemento reacionário. (…) A liberdade de expressão, completa e irrestrita, é uma condição sine qua non para a existência das outras liberdades democráticas, ela é uma liberdade que engloba toda a sociedade e que precede todas as liberdades individuais. (…) Existe uma crescente campanha para solidificar o “crime de opinião” o crime onde você pensa algo que alguns não gostaram e naturalmente você é culpado, onde a sua liberdade está reboque da opinião pública, e se sua opinião tem de ter “selo de aprovação” da opinião pública formada pelos monopólios de comunicação e pela burguesia, a opinião própria já está proibida.

 

Workshop de Teoria dos Jogos em homenagem à Marilda Sotomayor


Será em julho do ano que vem, mais informações aqui.

Pela rápida leitura do programa, destaco o mini-curso de desenho de mecanismos com o recém ganhador do prêmio nobel de economia, Alvin Roth, além da presença de outros ganhadores, como John Nash, Robert Aumann e Eric Maskin.

Especialmente para os alunos, não dá para perder.

 

Nobel vai para teoria dos jogos: Alvin Roth e Lloyd Shapley


Bacana, o prêmio Nobel vai para dois autores de teoria dos jogos, Alvin Roth e Lloyd Shapley!

Eu gosto bastante dos trabalhos de Alvin Roth, já havíamos falado dele aqui. Ele é um autor que, apesar da sofisticação técnica, busca aplicar, com sucesso,  a teoria dos jogos na prática.

Na lista de blogs à direita, você encontrará um chamado Market Design, cujo autor é o Alvin Roth. Tendo em vista a notícia, o post de hoje  é de que talvez o blog se atrase – mais do que merecido!

Propostas de casamento extravagantes


Qual o sentido econômico de uma proposta de casamento extravagante? Al Roth traz uma matéria que explica por que alguns noivos fazem isso: é uma forma de sinalização, para a noiva, amigos e família, de que o noivo está realmente disposto a abandonar seu estilo de vida antigo e constituir uma família.

McGuiver colombiano, transplante de rim e seqüências matemáticas


Compartilhando algumas leituras.

Acemoglu e Robinson (doravante A&R neste blogue) sobre o McGuiver colombiano, na cidade de La Danta.

Alvin Roth novamente aplicando a economia em problemas reais (transplante de rim).

Landsburg e o supra-sumo da procrastinação acadêmica produtiva (quer dizer, ainda não sei se bate de frente com Ai se eu te pego em grego clássico).