O que tenho estudado — Causalidade


Para o blog não passar novembro em branco — o que tenho estudado e algumas referências.

Em causalidade acredito que essas sejam as referências básicas:

Morgan & Winship;
Imbens & Rubin;
Pearl, Glymour & Jewell;
Pearl.

Esses livros são muito mais do que suficiente para você começar no assunto. O mais amigável e completo para iniciantes é Morgan & Winship. Imbens & Rubin também é  bom, mas peca por ignorar DAGs. Se for para ler apenas um, escolha Morgan & Winship. Pearl, Glymour & Jewell é uma versão light e curta a nível de graduação —acabou de ser lançada.  Pearl é mais denso e se você nunca viu um DAG antes não comece por ele, comece por Pearl, Glymour & Jewell. Depois que tiver dominado DAGs, entretanto, não deixe de voltar para o livro seminal de Pearl.

Já tinha batido no livro do Wooldridge uma vez por não tratar mais claramente dos problemas de specification searches e multiple testing, que na prática é o que é feito no dia-a-dia do econometrista. Agora vale a pena bater de novo por conta da causalidade (mas é claro que esse problema não é só do Wooldridge, uso ele apenas como um exemplo em geral). Faz algum tempo que estou convencido de que é uma péssima prática ensinar estatística para cientistas sociais sem prover algum framework adequado para se falar de causalidade — e quando falo de framework adequado, não digo tricks para identificar efeitos causais como variáveis instrumentais ou regression discontinuity designs. Falo de um ferramental para ajudar o pesquisador a pensar rigorosamente e claramente sobre o assunto.

Depois vou tentar falar um pouco sobre o que tenho estudado em algoritmos, estatística computacional, pesquisa amostral e probabilidade nesse último trimestre.

Anúncios