Triste Judiciário


O que você acha disto?

Anúncios

5 pensamentos sobre “Triste Judiciário

  1. Jerê, eu tenho dito ultimamente que a principal reforma da qual o Brasil necessita é a institucional. É a partir desta que todas as outras decorrem. As nossas instituições são deficientes, ineficientes, ineficazes e retrógradas e se configuram como obstáculos ao desenvolvimento econômico, inclusive. Pare para pensar, mesmo que tenhamos um PIB anual (fluxo, taxa anual de crescimento de riqueza) crescendo a níveis registrados na China e um estoque de riqueza do tamanho da dos EUA, não teríamos a qualidade de vida destes últimos (desconsidere os efeitos negativos da recente crise). Saiu no noticiário há pouco, que em 2016, se continuarmos a trajetória de crescimento, teremos o nível de desenvolvimento equivalente ao norte-americano de 1950!

    Sobre o “Triste Judiciário”, tenho a dizer o que o Villa afirmou: os gastos podem ser legais, mas são imorais. Eles podem justificar técnica e legalmente os gastos de irrigação da ordem de R$ 286 mil? Podem, e não é tão complicado de se fazer. Mas, acredito que o tamanho do jardim possa ser diminuído… as remunerações recebidas tanto pelos magistrados quanto pelos servidores chamam a atenção; e todos valores citados pelo Villa, bem assim suas respectivas aplicações nos remetem a quê? Ao problema da danada da reforma institucional… sem falar nos casos de abusos de autoridade relatados… sabe qual é o principal problema? O senso comum diz: ah, mas os juízes, desembargadores e ministros do STJ e STF ganham muito porque a responsabilidade que eles têm nas mãos é enorme. Concordo plenamente, mas digo que a função deles, por definição, é a de servir ao público, à coletividade, no sentido mais nobre da palavra (excluindo-se deste interpretações de cunho marxista). Devem ser bem remunerados? Sim. Os valores astronômicos chegando a quase R$ 500 mil são ilegais? Não. E por que não? Porque as nossas instituições permitem legalmente que eles recebam remunerações astronômicas.

    Um abraço!

    Curtir

  2. Com certeza, as regras do jogo são fundamentais para se obterem bons resultados.

    Na UnB, o Bernardo Mueller tem defendido que as instituições estão melhorando. No começo, quando ele começa a expor o porquê, somos meio céticos, mas depois dá para ficar na dúvida e absorver um pouco do otimismo!

    Curtir

  3. Jerê, se você tiver algum artigo do Mueller, poste aqui por favor. Esse assunto é muito interessante. Ademais, precisamos fazer alguma coisa pois as pessoas em geral, o brasileiro médio, convive com aberrações sociais, econômicas e políticas sem questionamento, simplesmente aceitando porque é assim que é. Sabe, eu pensava que essas exonerações de ministros levadas a cabo pela presidente seriam desmoralizantes. Pelo contrário, as pessoas a estão entendendo como um ato de coragem e de moralização por parte da Dilma. Foi ela quem os colocou lá, seja por compromissos com a sua base política, seja por qualquer outro motivo. E o pior: a externalidade positiva desses escândalos (que, à princípio, era só uma suspeita) se concretizou ontem, quando foi lançada a pesquisa de aprovação do governo elaborada pelo IBOBE (sob encomenda da CNI). Foi um recorde, para o primeiro ano de mandato!

    Outra aberração: o preço do Iphone no Brasil. Na Inglaterra, a versão mais barata (16 GB) é vendida a 499 libras (R$ 1.435,92), enquanto na França, 629 euros (R$ 1.518,85). Ambos são desbloqueados. No Brasil, pelo sítio eletrônico da Apple, o mesmo aparelho desbloqueado sai por R$ 2.599,00. Há explicações técnicas para isso (só a carga tributária equivale a 46,76% do seu preço), mas o mais impressionante é que as pessoas parecem não saber o tamanho do poder concentrado na demanda. Eles compram, mesmo a esse preço. Se houvesse um esforço em conjunto, onde as pessoas deixassem de comprá-lo, duvido que a Apple não reveria seus preços, os quais incentivam o contrabando, a pirataria e o mercado informal.

    Abraços!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s