P-valor não é probabilidade a posteriori II


Na época da “descoberta” do Boson de Higgs, quase todo jornal confundiu. Inclusive, é comum ver essa confusão nas salas de aula. Andrew Gelman aponta para mais uma confusão na mídia, desta vez no New York Times:

Bakalar afirma que o p-valor é desenhado para

quantificar a probabilidade de o resultado de um experimento não ser fruto do acaso.

Isso é errado.

Vale lembrar o que o p-valor calcula: supondo que o resultado do experimento tenha sido fruto do acaso, qual seria a probabilidade de observarmos um resultado tão extremo ou mais extremo do que de fato foi observado.