Teorias e evidências, Encontro de Economia do ES e viés de confirmação.


Como deu para perceber, não tenho o dom de pensar em títulos interessantes para posts, então o título deste é basicamente autoexplicativo – os três temas de que tratarei.

Hoje apresentei um trabalho no Encontro de Economia do Espírito Santo e comentei o trabalho de Fábio Augusto Reis Gomes. O trabalho é conciso e traz um resultado interessante, pois mostra um caso em que, em um ambiente de incerteza “de verdade” (não é somente risco), o comportamento ótimo do consumidor pode ser simplesmente gastar toda sua renda. Intuitivamente, o indivíduo avesso ao risco é pessimista e teme poupar e ter um baixo retorno do seu investimento, bem como tomar empréstimo e ter de pagar taxa de juros elevada. Assim, para dado intervalo de renda, seria uma estratégia ótima não poupar nada. O interessante disto é que formaliza o fato de que uma estratégia considerada “ingênua”, como poupar zero, não pode mais ser evidência contra a teoria de que os indivíduos busquem otimizar seu consumo.

Aqui entra uma questão relacionada, como saber se uma evidência dá suporte ou não a uma teoria? Evidentemente, este assunto é amplo. Por isso, tratarei de apenas um ponto, algo comum de ocorrer: o viés de confirmação. Tomemos um exemplo. Um dado como este, de que metade das classes A e C não têm investimentos, trata-se de uma evidência contra a teoria de que a poupança é fruto da escolha racional entre consumo presente e consumo futuro? Para saber se sim ou se não, teríamos de explorar quais são as conseqüências observáveis desta teoria, e ver se, caso ela fosse válida, não poderíamos observar a evidência apresentada. Obviamente, percebe-se que este número por si só não contradiz a tese, fato que é reafirmado pelo exemplo do Fábio. Entretanto, neste exemplo, um colega havia tomado a evidência como a favor da hipótese de que a poupança é um “resíduo” da renda e contra a hipótese de que seja uma “escolha racional”.

Este pode ser visto como um caso de viés de confirmação. O viés de confirmação é a tendência de buscar apenas aquelas evidências que corroboram a teoria que se quer provar e não aquelas que poderiam contradizer o que você acredita. Isso em geral resulta no erro de julgamento de se encontrar uma evidência que parece ser a favor de uma teoria e a partir daí deduzir que ela é verdadeira e as demais são falsas. Vejamos mais um exemplo simples, que talvez seja mais claro: tanto a gripe quanto outras doenças apresentam a febre como um sintoma. Um viés de confirmação se manifestaria se você visse que alguém tem febre e daí concluísse que esta pessoa tem gripe, e apenas se atentasse a verificar os outros sintomas da gripe. Ora, poderia ser que, ao limitar os exames na certeza da gripe, as evidências encontradas não sejam aquelas que diferenciariam a gripe de outras doenças. E você manteria o diagnóstico. Entretanto, é a presença, ou ausência, de outros sintomas – evidências – que lhe trarão maior segurança com relação a sua hipótese. Em particular, aquelas evidências que contradizem a sua hipótese inicial com base em hipóteses alternativas.

Tal erro de julgamento é muito comum, mais do que se imagina. O viés de confirmação pode ser tão grande ao ponto de a pessoa não conseguir ver, involuntariamente, sinais óbvios que contradizem sua hipótese, ler textos e não conseguir entender argumentos simples entre outros problemas. É como a recém grávida que vai à rua e poderia jurar que agora há muito mais grávidas do que antes. Não, não há. Ela que passou a prestar atenção nisso…. Pode ser que não seja possível eliminar este viés, natural ao ser humano, mas é factível e digno de esforço reconhecer sua existência e tentar minimizá-lo.

Anúncios

5 pensamentos sobre “Teorias e evidências, Encontro de Economia do ES e viés de confirmação.

  1. Jerê, esse é o grande problema do método indutivo, do qual Popper é crítico. Segundo ele, o problema de se obter generalizações a partir de observações pontuais concede ao pesquisador a possibilidade, caso sua teoria seja contradita, de recorrer a estratagemas de imunização, ou seja, ele pode afirmar que sua teoria envolvia condições iniciais distintas das efetivamente verificadas. Neste sentido, como você colocou, o pesquisador é tentado sempre a procurar evidências que corroborem sua teoria, imunizando-a das que porventura surjam em contradição. David Hume também critica, de certa forma, o viés da confirmação. Ele argumenta que tecer afirmações gerais sobre determinado fenômeno, tendo por referência a experiência passada ou o nada (como ele ressalta), recorre tão somente a uma petição de princípio. É o famoso fato estilizado do cisne negro. A comunidade científica acreditava que somente existiam cisnes brancos. Não obstante, depararam-se, na Austrália, com aves negras que apresentavam as mesmas características morfofisiológicas dos cisnes brancos. Neste caso, felizmente, não puderam ignorar o fato, o que acabou se revelando mais do que uma refutação, mas uma descoberta.
    Grande abraço!

    Curtir

      • Sem problemas Jerê, achei que fosse alguma coisa com o servidor do blogue, daí tentei alertá-lo. Depois percebi que era a moderação.
        Grande abraço!

        Curtir

  2. Pingback: Newton’s Flaming Laser Sword « Análise Real

  3. Lendo esse comentário de um colega, no sentido de que a poupança é tão somente um resíduo da renda (contradizendo a teoria da escolha racional do consumo/poupança), percebo que as pessoas, muitas vezes, tomam para si uma proposição como verdadeira, sem ao menos testá-la, como você bem disse. Neste caso, em especial, a ideia foi difundida por Keynes, de que o ajuste entre consumo e poupança ocorre por meio da renda, e não pela taxa de juros (numa lógica de oferta e demanda por fundos monetários) como abordado pela análise neoclássica. Não obstante, na própria teoria keynesiana, a propensão marginal a consumir, em contraste com a propensão marginal a poupar reflete, a despeito das possíveis discordâncias, uma escolha racional. A diferença é que Keynes não admite que ela possa ser unitária, como o Fábio conclui (e com cuja conclusão eu estou de acordo).
    Grande abraço!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s